Overload Poca no Canto da Roça

Overload Poca
no Canto da Roça





As Palhetadas pulsam...


por Daniel Del Fini, cronista exclusivo das Palhetadas 


No último domingo de novembro (30), Cariacica teve um show de rock como ele realmente deve ser tocado.

A banda Overload, com Guto Ferrari (bateria), Otávio Ribeiro (baixo) e Rodrigo Marçal (guitarra), promoveu um concerto "à moda antiga" no Canto da Roça, no bairro Maracanã.

Eu que tive a oportunidade de assistir a vários shows durante a minha vida, citando apenas aqueles que fizeram parte do repertório da banda Overload, como Iron Maiden, Judas Priest, Red Hot, Kreator, Metallica, Megadeth abrindo para o grande Black Sabbath, Deep Purple, The Doors com o tecladista e o guitarrista original, Dio, Roger Waters com The Wall, e C. J. e Mark Ramone, vi que o profissionalismo dos caras foi equivalente, sendo a melhor banda que vi até agora no Espírito Santo.



Seu show foi melhor ainda que o show do Ratos de Porão, até então, a melhor apresentação que tinha visto por aqui...

A Overload conta com um músico reconhecido internacionalmente por seu trabalho na banda Clube Big Beatles, Guto Ferrari, o qual elogiou seu baixista Otávio Ribeiro, com razão, dizendo: “ele é o melhor do estado”...

Então eles formam uma bela dupla, pois Guto certamente está entre os dois melhores bateristas atuais no Espírito Santo.

Guto Ferrari e sua Ludwig inglesa

O show pocou...

Cerca de cem privilegiados puderam acompanhar performances sensacionais do rock clássico, blues, grunge, metal, folk e também do psicodélico.




Foram petardos clássicos de bandas como Beatles, Stones, Led Zeppelin, Black Sabbath, The Who, Kiss, só pra deixar claro a que vieram.




O impressionante virtuosismo da dupla baixo e guitarra, Otávio Ribeiro e Rodrigo Marçal, compensou entre si a falta de alguns instrumentos originais em músicas como Perfect Strangers do Purple e Sweet Home Alabama, do Lynrd Skynyrd, essa com três guitarras.

Guto Ferrari, com um vocal firme e constante, manteve o fôlego durante as três horas de show.




Sua técnica precedia sua fama...

Conseguiu, com incrível polivalência, manter tons mais graves como em Jeremy, do Pearl Jam, gritada a plenos pulmões, e em músicas do Nirvana e Alice in Chains, e também mantendo a suavidade em Something, dos Beatles. Fora o baile de outros monstros do rock, foi matador.




No meio do show, uma homenagem ao grande mestre Jimi Hendrix, que, se vivo, estaria completando 75 anos: levaram Foxey Lady e deixaram a mulherada alvoroçada!

Já na finaleira, uma série dos Ramones, Led Zeppelin e Black Sabbath, e a tão esperada por mim: N.I.B. 

Vale lembrar que antes do show, na passagem de som, conversei com Nicacio, organizador do evento, e Jack Zoopatia, repórter e editor das Palhetadas do Rock, que o “som” do baixo pedia pela música. E foi o que aconteceu...

Otávio Ribeiro e Daniel Del Fini
Em uma breve conversa, eis que o baterista Guto, afirmou que Otávio Ribeiro, baixista, seria o melhor do estado, o que comprovamos com a música citada.

Foi um show onde encontrei “caras” mais velhas que a minha, e também a da nova geração, os filhos da Estelinha, entre outros adolescentes.


Os sedentos of rock...

Reencontrei vários colegas do colegial, de há mais de vinte anos, e toda uma legião de fãs do nosso amado Rock and Roll.

Uelington Bad Guys, Luiz da Viola,
Rodrigo Marçal e Daniel Del Fini
Então eu percebi que desde aquela época muitas das musicas do set list dos caras ainda tocam nas rádios, enfeitam camisetas, mantendo uma suposta hipótese de realizar o sonho de assistir a um show de um dos grandes do rock...

Naqueles tempos, a busca por um vinil na Tarkus era sob encomenda... e a gente quase furava o disco de tanto ouvir, até a chegada da próxima prensagem...


Tiussi (Tarkus Discos) e amigos

Mais uma vez concluí que o rock continua vivo e fazendo a cabeça da galera, não importando a idade.

Foi um encontro entre amigos, novos amigos, amigos do rock.

Fim.

Agora sim...

Até as próximas Palhetadas Punks...

Do seu editor do underground...


TUDO PELO ROCK!












































Comentários

Postar um comentário

As palhetadas agradecem. TUDO PELO ROCK!

Postagens mais visitadas deste blog

Woodstock: a história ainda não acabou

Carnapunk em Cariacica

Cariacica Punk - Crônica 01